quinta-feira, dezembro 14, 2017

Natal... Na província neva

Oiça a Cantata de Natal (2010) na Igreja Matriz de São Roque do Pico, com o Grupo Coral das Lajes do Pico. A música é de Fernando Machado Soares e a letra de Fernando Pessoa.

Natal... Na província neva.
Nos lares aconchegados,
Um sentimento conserva
Os sentimentos passados.
Coração oposto ao mundo,
Como a família é verdade!
Meu pensamento é profundo,
Estou só e sonho saudade.
E como é branca de graça
A paisagem que não sei,
Vista de trás da vidraça
Do lar que nunca terei!

quarta-feira, dezembro 13, 2017

Visita Guiada aos Presépios

Nesta época natalícia proponho-lhe que assista a mais um episódio do programa televisivo Visita Guiada.
Este episódio permite-nos conhecer os Presépios (entre eles o da Basílica da Estrela), de Lisboa.
Com mais de 400 figuras, o Presépio da Basílica da Estrela é considerado por muitos o melhor presépio português. Contudo, o seu autor, Machado de Castro, o maior escultor português do séc. XVIII, não teria gostado de ficar célebre pelos seus presépios!
O historiador de arte Alexandre Pais conduz-nos pelas histórias surpreendentes dos presépios portugueses, do da Basílica da Estrela ao da Madre de Deus.
Sabia que os nossos presépios são anteriores aos napolitanos que têm fama mundial ?

terça-feira, dezembro 12, 2017

A Estrela do Natal ou Poinsétia


A Poinsétia, também conhecida pelos nomes de Flor do Natal, Estrela do Natal ou Manhã de Páscoa é uma planta originária do México, onde é espontânea.
O seu nome científico é Euphorbia pulcherrima, que significa "a mais bela (pulcherrima) das eufórbias".
Como é uma planta de dia curto, floresce exatamente no solstício de Inverno que coincide com o Natal.
É uma planta muito utilizada para fins decorativos, especialmente na época do Natal, devido às suas folhas semelhantes a pétalas de flores vermelhas.
Efetivamente, aquilo que muitas pessoas julgam ser flores são apenas brácteas modificadas que envolvem as pseudo-umbelas onde estão as pequenas flores, envolvidas por uma camada de tecido verde e uma glândula amarela que nasce apenas num dos lados da flor.

segunda-feira, dezembro 11, 2017

Passarinhos



Oiça o cantor brasileiro Emicida (com a participação de Vanessa da Mata) em Passarinhos.





Despencados de voos cansativos
Complicados e pensativos
Machucados após tantos crivos
Blindados com nossos motivos
Amuados, reflexivos
E dá-lhe antidepressivos
Acanhados entre discos e livros
Inofensivos
Será que o sol sai pra um voo melhor?
Eu vou esperar, talvez na primavera
O céu clareia e vem calor vê só
O que sobrou de nós e o que já era
Em colapso o planeta gira, tanta mentira
Aumenta a ira de quem sofre mudo
A página vira, o são delira, então a gente pira
E no meio disso tudo
'Tamo tipo
Passarinhos soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro
Passarinhos soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro
A Babilônia cinza e neon
Eu sei meu melhor amigo tem sido o som
Okay, tanto o carma lembra Armagedom orei,
Busco vida nova tipo ultrassom, achei
Cidades são aldeias mortas desafio
Não sei se competição em vão que ninguém vence
Pense num formigueiro, vai mal quando pessoas viram coisas
Cabeças viram degrau
No pé que as coisa vão Jão
Doideira, daqui a pouco resta madeira nem pro caixão
Era neblina hoje é poluição
Asfalto quente queima os pé no chão
Carros em profusão, confusão
Agua em escassez bem na nossa vez
Assim não resta nem as barata (é memo)
Injustos fazem leis e o que resta p'ocês
Escolher qual veneno te mata
Pois somos tipo
Passarinhos soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro
Passarinhos soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro
Passarinhos soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro
Passarinhos soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro

domingo, dezembro 10, 2017

Nostalgia da Luz

Hoje, Dia Internacional dos Direitos Humanos, proponho-lhe que veja o filme, Nostalgia da Luz  (2010), do género documentário, do realizador chileno, Patricio Guzmán.

Sinopse:
No Chile, a três mil metros de altitude, astrónomos do mundo inteiro encontram-se no deserto para observar as estrelas. Neste lugar, a transparência do céu permite ver os confins do Universo.
Este documentário descreve mediante imagens e entrevistas o trabalho dos astrónomos no deserto de Atacama. O céu privilegiado desta região tornou-se o local ideal para a localização dos melhores observatórios astronómicos do mundo.
Em contraposição, a secura e a salinidade do solo nesta região, preserva os restos humanos quase intactos, mumificando os cadáveres de exploradores, mineiros, índios e prisioneiros políticos da ditadura.
Assim, enquanto os astrónomos buscam a vida extraterrestre, um grupo de mulheres, familiares dos detidos desaparecidos no Chile, durante a ditadura militar de Augusto Pinochet, continuam a procurar os restos mortais dos seus entes queridos, removendo pedras no meio do deserto de Atacama.
Um filme (que pode ver aqui) sobre a distância entre o céu e a terra, entre a luz do cosmos e os seres humanos e as idas e voltas que se criam entre eles
   
NOSTALGIA DA LUZ, de Patricio Guzmán - trailer from Midas Filmes on Vimeo.

sábado, dezembro 09, 2017

Bonecos de Estremoz : etnografia e arte



Bonecos de Estremoz : etnografia e arte é um livro (2015) de José Fernando Reis de Oliveira.

Sinopse:
À produção de carácter prático e utilitário, com relevância para os púcaros, e às qualidades "terapêuticas" atribuídas ao barro de Estremoz, veio juntar-se, no século XVIII, o figurado, consequência da moda dos presépios. A barrística assegurou até aos nossos dias a popularidade dos Bonecos de Estremoz, que são hoje, Património Cultural Imaterial da Humanidade.

sexta-feira, dezembro 08, 2017

O Figurado de Estremoz

Imaculada Conceição


O figurado de barro (ou bonecos) de Estremoz foi declarado pela UNESCO como Património Cultural Imaterial da Humanidade. A decisão foi conhecida na madrugada de ontem, na Ilha de Jeju, na Coreia do Sul.
A arte popular dos Bonecos de Estremoz conta mais de 300 anos de história, de acordo com uma técnica com origem pelo menos no século XVII.
Os Bonecos de Estremoz contam com mais de uma centena de figuras diferentes inventariadas, e resultam da modelação de uma figura em barro cozido, policromado e efetuada manualmente.
Assinalando o dia de hoje, Dia da Imaculada Conceição, padroeira de Portugal aqui fica uma bela imagem da Nossa Senhora da Conceição, modelada em barro pelos artesãos de Estremoz.