domingo, maio 01, 2016

Colegial

Em cima da minha mesa,
Da minha mesa de estudo,
Mesa da minha tristeza
Em que, de noite e de dia,
Rasgo as folhas, leio tudo
Destes livros em que estudo,
E me estudo
(Eu já me estudo...)
E me estudo,
A mim,
Também,
Em cima da minha mesa,
Tenho o teu retrato, Mãe!

À cabeceira do leito,
Dentro dum lindo caixilho,
Tenho uma Nossa Senhora
Que venero a toda a hora...
Ai minha Nossa Senhora
Que se parece contigo,
E que tem, ao peito,
Um filho
(O que ainda é mais estranho)
Que se parece comigo,
Num retratinho,
Que tenho,
De menino pequenino...!

No fundo da minha sala,
Mesmo lá no fundo, a um canto,
Não lhes vá tocar alguém,
(Que as lesse, o que entendia?
Só riria
Do que nos comove a nós...)
Já tenho três maços, Mãe,
Das cartas que tu me escreves
Desde que saí de casa...
Três maços - e nada leves! -
Atados com um retrós...

Se não fora eu ter-te assim
A toda a hora,
Sempre à beirinha de mim,
(Sei agora
Que isto de a gente ser grande
Não é como se nos pinta...)
Mãe!, já teria morrido,
Ou já teria fugido,
Ou já teria bebido
Algum tinteiro de tinta!
José Régio

sábado, abril 30, 2016

A Pensão Amor

A Pensão Amor, é um espaço de diverimento em Lisboa, que se localiza na Rua do Alecrim. O seu nome remete-nos para a história do edifício e para o antigo quotidiano do Cais Sodré.
Esta zona da cidade, póxima do porto de Lisboa, era frequentada por prostitutas e marinheiros. Esta antiga e degradada pensão/bordel foi remodelada e reconvertida para novas funções.

A partir de 2011 a Pensão Amor passou a ser um local de convívio e encontro, para lisboetas e turistas, quer durante o dia quer durante a noite.

Pelos vários andares do prédio distribuem-se ateliês de trabalho, um restaurante/cabaret, uma livraria erótica Ler Devagar com Amor e até uma sala (com um varão de strip) para eventos e espectáculos. Aqui recria-se o ambiente erótico de cabaret e o universo do burlesco, num palco disponível para todo o tipo de eventos: concertos, poesia, teatro, lançamentos literários ou musicais, conversas e tertúlias.

Ao pé da Pensão Amor encontra ainda o Povo e a Velha Senhora. O Povo recria a antiga tasca portuguesa, com fado, petiscos e vinho a copo. A Velha Senhora procura recriar o espírito festivo, do burlesco e da boémia da cidade de Lisboa.

Ao entrar no salão da Pensão Amor vai encontrar cadeirões, mesas, puffs, quadros, estátuas e bibelots "de época", estando os tectos pintados com réplicas de frescos dos quais pendem lustres. Pintado com cores quentes, espelhos pendurados, um piano antigo e inundado de fotografias sensuais de várias décadas, a média luz do ambiente completa a atmosfera, onde o erotismo e o burlesco dominam.

Subindo ao primeiro andar deste antigo bordel, as paredes da escadaria estão decoradas pelas pinturas de Mário Belém que caracterizam a sua anterior função.

O projecto Pensão Amor contribuiu para apagar a má-fama desta zona da cidade, ao trazer novas pessoas, novas ideias, novos bares, novos hábitos e uma nova forma de viver a cidade.

sexta-feira, abril 29, 2016

A Orquídea Fantoche Feliz

A flor é um organismo cuja função é atrair agentes polinizadores como insectos ou pássaros e exerce essa função com uma certa majestade, nas mais variadas formas e cores.
A que vê aqui ao lado é uma orquídea, que tem uma forma bastante incomum, tal como outras que aqui tenho apresentado.

1- A Orquídea Fantoche Feliz (Orchis italica)
A Orchis Itálica, ou Orquídea Fantoche Feliz ou ainda Orquídea do Homem Nu, encontra-se na Europa Mediterrânea, Médio Oriente e Norte de África.
Esta orquídea silvestre distribui-se por toda Região Mediterrânica, surgindo geralmente em clareiras de matos, nas encostas de outeiros ou colinas, sobre solos magros, relvados e, em regra, pedregosos, frequentemente calcários. Está presente em Portugal, no centro e sul do território do Continente, nomeadamente na Serra da Arrábida.
Ela floresce de março a junho e a sua cor pode variar do branco até diferentes tons de rosa e roxo.
Também é designada comummente por Flor-dos-rapazinhos e Flor-dos-macaquinhos.

quinta-feira, abril 28, 2016

Ele capturou as Auroras Boreais! - Paulo Ferreira, um fotógrafo português.

Recordam-se de uma campanha de crowdfunding lançada pelo fotógrafo português Paulo Ferreira para financiar uma expedição à Noruega: pretendia ele fazer um Timelapse sobre as auroras boreais.
O Timelapse está concluído e disponível online!
Chamou-lhe Nordlys (o termo norueguês para luzes boreais - as que vêm do norte!).

O convite que deixo é para que o contemplem e saboreiem. E não percam os outros exemplos aliciantes e sedutores do trabalho que ele tem vindo a realizar.


Vale a pena passar os olhos pelo texto que serve de apresentação a este Timelapse de Paulo Ferreira:
Terra, o nosso planeta, é o único planeta no nosso sistema solar, conhecido por albergar vida.
Todas as coisas que precisamos para sobreviver são-nos fornecidas debaixo de uma fina camada de atmosfera que nos separa do vazio inabitável do espaço.
A Terra é composta por sistemas complexos e interativos que são muitas vezes imprevisíveis.
Ar, água, terra e vida, incluindo os seres humanos, unem forças para criar um mundo em constante mudança e que nos esforçamos por entender.
Tu podes imaginar a nossa Terra sem os seres humanos? Olha para estas paisagens!
Olha para ela! Olha com paixão!
Esta é a Terra ... a nossa casa ... o nosso lugar ... Por favor, mantem-na viva! Olha para ela com paixão ... com a paixão de quem ama ... e preserva-a!
O nosso planeta está numa rotação rápida e o núcleo de níquel-ferro fundido dá origem a um campo magnético, que o vento solar distorce em forma de lágrima.
O vento solar é uma corrente de partículas carregadas, continuamente ejetadas do sol.
O campo magnético não se desvanece para o espaço, mas tem fronteiras bem definidas.
Quando as partículas carregadas do vento solar são capturadas pelo campo magnético da Terra, colidem com as moléculas de ar acima dos pólos magnéticos do nosso planeta.
Estas moléculas de ar, em seguida, começam a brilhar e são conhecidas como as auroras, ou as luzes do Norte e do Sul.
Esta é a Terra ... a nossa casa ... o nosso lugar ... Por favor, mantém-na viva! Olha para ela com paixão ... com a paixão de quem ama ... e preserva-a!
Desliga as luzes e desfruta de um fenómeno único na Terra ... com a paixão de quem ama.
E a Terra é a nossa nave espacial, nosso bonito globo, delicado, dançando elegantemente em torno do sol para uma eternidade finita .. Nossa linda bola de água e ar. É tudo o que temos .... e tudo o que poderemos ter .. compete-nos a nós preservá-la e protegê-la. Porque esta é a nossa única casa .. Nosso planeta ... Nossa Mãe .... Nossa ... Terra
Bem-vindo a casa.

Imagem que vale por mil palavras

Uma imagem que vale por mil palavras. Prémio World Press Photo.

quarta-feira, abril 27, 2016

Rede de Túneis

Existe uma Rede de Túneis com 12 mil anos e que cruza toda Europa. Estas passagens subterrâneas intrigam os pesquisadores e ainda permanecem um mistério.
Quem as construiu? Para quê? Como foi possível?
Foram encontradas túneis através de toda a Europa, num sistema interminável de passagens subterrâneas que, 12 mil anos após a sua criação, continuam de pé.
Apesar de não existirem grandes estudos oficiais a respeito deste assunto, acredita-se que elas foram construídas na Idade da Pedra. Atravessam todo o continente europeu, desde a Escócia, passando pela Alemanha e Áustria, até à Turquia.
Em todo o continente, contam-se milhares e milhares de túneis. A grande maioria são muito estreitos, com somente 70 cm de diâmetro, o suficiente para uma pessoa. No entanto, existem alguns setores maiores ou menores, nos quais há assentos e salas de armazenamento.
Um dos primeiros exploradores deste sistema de túneis foi o sacerdote Lambert Karner (1841-1909), que descreveu "estranhas passagens com correntes de ar", segundo a revista Der Spiegel.
A falta de qualquer indício sobre as razões da sua existência fez com que muitos especialistas se referissem a estas construções como o último grande mistério da Europa.
A tradição popular, entretanto, acredita que os túneis foram construídos e escavados por elfos ou gnomos, figuras típicas do folclore celta.
Alguns especialistas afirmam que esta rede funcionou como proteção das populações em relação aos predadores; outras pessoas acreditam que foi utilizada como caminho, para se fazerem viagens com segurança, independentemente das guerras ou fatores climáticos.
O arqueólogo alemão Dr. Kusch, relatou no seu livro "Segredos da Porta do Mundo Subterrâneo para o Mundo Antigo", que só na Baviera, na Alemanha, foram encontrados 700 metros de ligações subterrâneas, e que elas se espalham desde o norte da Escócia até ao Mediterrâneo.
Entretanto, conheça clicando aqui, uma rede de túneis que foi descoberta sob as ruínas da Villa Adriana, na cidade de Tivoli, perto de Roma. O complexo, construído para o imperador Adriano no século II, é considerado uma obra-prima arquitetónica.
Agora uma equipa de especialistas em cavernas está a mapear a rede de túneis e descobriu que ela é ainda mais impressionante do que se pensava

terça-feira, abril 26, 2016

A Flor do Sonho

A Flor do Sonho alvíssima, divina
Miraculosamente abriu em mim,
Como se uma magnólia de cetim
Fosse florir num muro todo em ruína.

Pende em meu seio a haste branda e fina.
E não posso entender como é que, enfim,
Essa tão rara flor abriu assim!…
Milagre… fantasia… ou talvez, sina…

Ó Flor que em mim nasceste sem abrolhos,
Que tem que sejam tristes os meus olhos
Se eles são tristes pelo amor de ti?!…

Desde que em mim nasceste em noite calma,
Voou ao longe a asa da minh’alma
E nunca, nunca mais eu me entendi…
Florbela Espanca




segunda-feira, abril 25, 2016

Revolução

Pena que as revoluções
não as façam os tiranos
se fariam bem em ordem
durariam menos anos

liberdade sairia
como verba de orçamento
e se houvesse qualquer saldo
se inventava suplemento

pagamento em dia certo
daria para isto aquilo
o que sobrasse guardado
de todo o assalto a silo

mas o que falta aos tiranos
é só imaginação
e o jeito na circunstância
é mesmo a revolução.
Agostinho da Silva Poemas 

Revolução

Como casa limpa
Como chão varrido
Como porta aberta

Como puro início
Como tempo novo
Sem mancha nem vício

Como a voz do mar
Interior de um povo

Como página em branco
Onde o poema emerge

Como arquitectura
Do homem que ergue
Sua habitação
Sophia de Mello Breyner Andresen - O Nome das Coisas