terça-feira, junho 28, 2016

A Noite de São Pedro

A noite de 28 para 29 de Junho é marcada por festejos populares em louvor de São Pedro.

São Pedro, homem com uma história pessoal de origem humilde, foi apóstolo de Cristo e depois encarregado de fundar a Igreja Católica, tendo sido o seu primeiro Papa.

Depois da morte de São Pedro, segundo a tradição católica, foram-lhe entregues as chaves do reino dos céus. Assim, para se entrar no paraíso é necessário que o santo abra as suas portas.

Também lhe são atribuídas outras responsabilidades: de fazer chover, de fazer trovejar e de ser o protetor das viúvas e dos pescadores.

São Pedro é festejado no dia 29 de junho. As festas populares em sua honra, obedecem às mesmas características das festas de Santo António e de São João: marchas populares, mangericos, ruas enfeitadas, sardinha assada, procissões, bailaricos, fogos de artifício, etc.

Em todas as festas é também  tradição o saltar das fogueiras e o oferecer à namorada ou namorado aromáticos vasos de manjerico, onde se colocam quadras, muitas vezes falando de amor, ou não estivessem estas festas ligadas ao solstício de verão e a antigos rituais de fertilidade.

As festividades em honra de São Pedro, e que servem de remate aos festejos em louvor dos santos populares, existem em variados lugares do nosso país, cada uma com as suas particularidades. Como Sintra ou Évora, Montijo (com a sua procissão fluvial), Póvoa do Varzim, Castro Verde, Quintas de S. Pedro (Penalva de Alva, Oliveira do Hospital), S. Pedro do Sul ou a Coroação do Império de São Pedro em Água de Pau (Açores)

Dos rituais que lhe são dedicados, refira-se a festiva e popular Coroação de São Pedro, em Viana do Castelo, consumada na imagem que ladeia a porta da fachada da Igreja de São Domingos.
Consiste no antigo cerimonial de florir o arco do nicho onde se encontra a imagem de São Pedro com um outro de madeira revestido de hortênsias. É colocada também uma coroa de flores na cabeça do santo e um ramo na mão que segura a chave.
Como manda a praxe, o ritual é efectuada por uma criança - que se eleva até ao nicho, para colocar as flores e depor um beijo na face de São Pedro.

No concelho de Nisa (Alto Alentejo) a celebração a São Pedro, príncipe dos apóstolos e patrono dos pastores e lavradores (invulgar e pouco conhecida) durava três dias.
Da parte religiosa constava o Canto de Vésperas, na Capela de São Pedro. Contava com a participação de todos os lavradores, que se dirigiam para o local com dois porta-bandeiras: um levada pelo lavrador que nesse ano dava a festa, a outra pelo que a tomava a seu cargo no ano seguinte.

Veja agora como é feita a Coroação a S. Pedro, em Viana do Castelo.
Não perca. Vale bem a pena.

segunda-feira, junho 27, 2016

A Finlândia e os princípios para uma boa educação

A Finlândia e os princípios para uma boa educação, é um excerto do mais recente documentário de Michael Moore,  "Where to Invade Next, E Agora Invadimos O Quê?",  que faz uma comparação da educação entre os EUA e a Finlândia.


E Agora Invadimos O Quê? é o primeiro filme de Moore em seis anos.
Documentário em formato de comédia subversiva, no estilo de um diário de viagem, em que Michael Moore, interpreta o papel de "invasor", que visita uma série de nações europeias e africanas para entender como os EUA poderiam melhorar as suas perspetivas.

Moore passa algum tempo em países como a Tunísia, a Eslovénia, a Finlândia, a Itália, a França e Portugal, onde experimenta os métodos alternativos que esses países têm, para enfrentar os problemas sociais e económicos, que também são vividos pelos Estados Unidos.

Fique então, com Michael Moore em ,"Where to Invade Next, Finland", em português.
Vale a pena vê-lo, sobretudo se se preocupa com as questões da educação e da escola.
Dá que pensar. Ora veja!
Veja agora, o trailer do documentário de Michael Moore, Where to Invade Next  (2016) ou seja E Agora Invadimos o Quê?

domingo, junho 26, 2016

A Imperatriz do Uruguai

O maior geode de ametista do mundo foi encontrado no Uruguai e chama-se a Imperatriz do Uruguai.
Pesa 2.500 kg e tem 3,27 metros de altura. Depois de ser extraído e trazido para a superfície (o que levou quase três meses), a frente deste geode gigante foi cuidadosamente removida em seções muito pequenas, para revelar toda a sua beleza, como vê aqui ao lado (ou no vídeo abaixo).
Os geodes ou geodos (do grego, geoides, terroso) são formações rochosas que ocorrem em rochas vulcânicas e ocasionalmente em rochas sedimentares. São essencialmente cavidades, que se formam nas rochas, apresentando-se revestidas por formações cristalinas, muitas vezes apresentando a forma de faixas concêntricas. O exterior dos geodes mais comuns é geralmente constituído por calcário, enquanto que o interior contém cristais de quartzo e/ou depósitos de calcedónia. Outros geodes apresentam-se completamente preenchidos com cristais, apresentando-se como uma massa sólida, e tomam o nome de nódulos.
A ametista é uma variedade violeta ou púrpura do quartzo, muito usada como ornamento. Diz-se que a origem de seu nome vem do grego "a", "não" e "methuskein", "intoxicar", de acordo com a antiga crença de que esta pedra protegia o seu dono da embriaguez.
A ametista foi usada como pedra preciosa pelos antigos egípcios e era amplamente trabalhada na antiguidade pelos entalhadores.
É a pedra oficial do curso de Letras, normalmente utilizada em anéis de formatura, simbolizando o esclarecimento.

sábado, junho 25, 2016

Primavera no Wisconsin

Na limpidez tranquila da manhã diáfana
em que as despidas árvores imóveis
são como nervos ou expectantes veias
no corpo transparente do azulado ar,
as águas quietas, mas não tanto que
nelas se espelhe mais que a concentrada cor
do ar tranquilo, nem tão menos que
pareçam gelo perto as águas mais distantes,
pousam na margem delicadamente
como na mesma terra infusas se dispersam
dos ramos e dos troncos sombras confundidas.
A terra se amarela de ante-verde
e, sêca, espera, entre a neve que foi
e o ténue estremecer da seiva que desperta.
Jorge de Sena - (Madison, 15/3/1966)

sexta-feira, junho 24, 2016

Olhó Balão (o Balãozinho)

Neste dia de S. João oiça e veja Beatriz Costa e Vasco Santana em  Olh'ó balão (o Balãozinho).
Em seguida, oiça e veja também a cantora portuguesa Cândida Branca Flor a interpretar a mesma canção.

Olha o balão, na noite de São João
Para poder dançar bastante com quem tenho à minha espera
Ó-i-ó-ai, pedi licença ao meu Pai, e corri com o meu estudante
Que ficou como uma fera


Ó-i-ó-ai, fui comprar um manjerico
Ó-i-ó-ai, vou daqui pró bailarico
E tenho um gaiato aqui dependurado,
Que é mesmo o retrato do meu namorado

E tenho um gaiato aqui dependurado,
Que é mesmo o retrato do meu namorado

Toca o fungagá, toca o Sol e Dó,
Vamos lá, nesta marcha a um fulambó
Toca o fungagá, toca o Sol e Dó,
Vamos lá, nesta marcha a um fulambó

Olha o balão, na noite de São João,
Para não andar maçado da pequena me livrei
Ó-i-ó-ai, não sei com quem ela vai, cá para mim estou governado
Com uma outra que eu cá sei

Ó-i-ó-ai, fui comprar um manjerico
Ó-i-ó-ai, vou daqui pró bailarico
Tenho uma gaiata aqui dependurada
Que tem mesmo a lata, lá da namorada

Tenho uma gaiata aqui dependurada
Que tem mesmo a lata, lá da namorada

Toca o fungagá, toca o Sol e Dó,
Vamos lá, nesta marcha a um fulambó
Toca o fungagá, toca o Sol e Dó,
Vamos lá, nesta marcha a um fulambó
E agora Cândida Branca Flor a interpretar a mesma música.

quinta-feira, junho 23, 2016

Vamos lá pro São joão

A noite de 23 para 24 de Junho é uma longa e animada na cidade do Porto. É a noite em que se comemora o S. João. Assim, proponho-lhe que oiça o Conjunto António Mafra em Vamos lá pro São João.

O Conjunto António Mafra formou-se em 1958. Começaram numa noite de São João, mesmo no Cantinho da Rambóia, junto à Torre dos Clérigos. "Ai, cachopa, se queres ser bonita/arrebita, arrebita, arrebita" é o refrão do seu primeiro grande êxito.
A liderança cabia a António Mafra que acumulava as funções de compositor e letrista ao seu instrumento, a guitarra portuguesa. Manuel Barros era a voz principal do grupo.

Trata-se de um conjunto de raízes populares que atingiu popularidade, com mais de 80 discos gravados em 53 anos de carreira. Os principais sucessos do grupo são Arrebita, O Carteiro, Ora Vejam Lá, entre outros.

Com a morte de António Mafra em 1977, o grupo acaba por parar. Contudo, em meados da década de 1980 retorna em força, após um convite para tocar no concurso 1, 2, 3, da RTP.
Manel Campanhã junta-se ao grupo e a guitarra portuguesa é substituída pela braguesa e pelo cavaquinho.
Em 2004 é editada uma compilação na série "Melhor dos Melhores" da Movieplay.
Em 2007 foi lançado do álbum 7 e pico, 8 e coisa, 9 e tal do grupo Vozes da Rádio que contou com a participação de Rui Reininho, Sérgio Castro, Carlos Tê, Miguel Guedes, Manuela Azevedo, Rui Veloso, Sérgio Godinho, Newmax, Vítor Silva, Sérgio Silva e dos elementos do Conjunto António Mafra.

Vamos lá pro São João!


quarta-feira, junho 22, 2016

Capri

Capri é uma das mais belas ilhas do mundo. Desde sempre foi um refúgio, conhecido pelo mar verde que a rodeia, pelo seu charme e belezas naturais.
A ilha terá sido descoberta pelos romanos em 29 a. C., quando Augusto, voltava de uma campanha militar do Oriente. Foi amor à primeira vista. Assim, partiu dele a ordem de edificar diversas villas, entre elas a sua residência de verão.
O seu sucessor, Tibério, chegou a governar o império romano da Villa Imperial e ergueu 12 mansões em Capri. Da maior delas, a Villa Jovis, restaram apenas ruínas, que, ainda hoje, podem ser visitadas.
Esta ilha italiana situa-se no golfo de Nápoles (região da Campania), no mar Tirreno, a pouca distância do continente. Capri possui uma área de cerca de 10,36 km², a maior elevação da ilha é o Monte Solaro (589 m).
É constituída por dois municípios – Capri e Anacapri – e dois portos – Marina Piccola e Marina Grande.
Capri, que já foi um pacato reduto de pescadores e agricultores italianos, hoje, chega a receber cerca de dois milhões de visitantes por ano. No século XIX, encantados com a beleza e os atrativos de Capri, ingleses e alemães provocaram uma reviravolta na vida dos habitantes – os pescadores passaram a alugar os seus barcos para passeios e os agricultores transformaram as propriedades em pequenos hotéis.
Hoje, esta ilha do Mediterrâneo, vive repleta de gente bonita e elegante, sendo muito frequentada por celebridades...
O que pode ver em Capri?
Em primeiro lugar a Gruta Azul (que é uma cavidade natural com, 60 metros de comprimento e 25 de largura e com uma entrada de um metro de altura por dois de largura), depois não perca a oportunidade de visitar La Piazzetta de Capri, no centro da ilha, os Faraglioni de Capri (três picos de rochas que saem do mar a poucos metros da costa), a Villa San Michele, o Monte Solaro, entre muitos outros pontos de interesse. Entretanto, aprecie o passeio virtual que lhe proponho abaixo à bela Gruta Azul.
Se não conhece, não perca. Vale bem a pena!