quinta-feira, Outubro 02, 2014

O Papiamento

O Papiamento ou Papiamentu é uma língua crioula.  É hoje a principal língua falada nas ilhas das Caraíbas, como Aruba, Curaçau e Bonaire. Recentemente, ganhou o estatuto de língua oficial nestas três ilhas.
O papiamento originou-se do pidgin português conhecido como guene, por ser falado pelos escravos africanos (originários das regiões da Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e do Golfo da Guiné, entre outras) trazidos para as caraíbas pelos holandeses para o trabalho na lavoura da cana-de-açúcar.
Após a retomada de Cabo Verde por Portugal e da reconquista da Nova Holanda pelos portugueses, alguns judeus sefarditas, portugueses de Cabo Verde e quase todos os do nordeste brasileiro foram para as antilhas holandesas levando consigo o idioma português. A linguagem judaico-portuguesa iria misturar-se ao guene dos escravos africanos, dando origem à primeira forma do papiamento no século XVIII. Com a administração do império colonial holandês nas ilhas, a influência holandesa legou muitas palavras do seu idioma ao papiamento.
No final do século XIX, a influência do castelhano ocorreu com o contato com os países vizinhos, especialmente a Venezuela. O papiamento sofreu tambem influencia do idioma inglês pelos missionarios que se estabaleceram nas ilhas e posteriormente pela presenca de turistas vindos de paises anglófonos.
O nome desta língua crioula procede da palavra papiá, que significa "conversar", derivada originalmente da palavra portuguesa "papear" (já agora, termo muito utilizado no Brasil). Origina-se igualmente deste verbo coloquial o nome do crioulo de base lusófona de Malaca, o papiá kristáng. O verbo papiâ ainda existe no crioulo cabo-verdiano e significa falar.
Já existem jornais em papiamento e dicionários bilíngues. Alguns intelectuais portugueses interessam-se pela criação de uma rede de pesquisadores de crioulística que entrelace os interessados nestas manifestações linguísticas mestiças, incluindo o papiamento.

Memórias

Oiça o novíssimo grupo de rock brasileiro, Malta, interpretando a música Memórias , do seu álbum Supernova.
Nem só de caveiras, tatuagens e camisas pretas vive o rock n'roll. A banda Malta provou isso mesmo no palco do concurso SuperStar, onde conquistou o primeiro lugar.
A banda Malta, que venceu a primeira temporada do reality musical Superstar com 74% dos votos, ficou famosa pelo seu repertório romântico e autoral.
Esta banda é formada por Diego Lopes no contrabaixo, Thor Moraes na guitarra, Adriano Daga na bateria e Bruno Boncini nos vocais.
O quarteto mistura o peso dos riffs de guitarra com letras que falam de amor. Ora oiça.

quarta-feira, Outubro 01, 2014

Aruba e o papiamento

Aruba é um território autónomo holandês (pois integra o Reino dos Países Baixos), situado nas Caraíbas, ao largo da costa da Venezuela (a 31 km da península de Maracaibo). Além da Venezuela, os seus vizinhos mais próximos são Curaçau, São Martinho e a Península de La Guajira, na Colômbia, da qual dista cerca de 130 km . Este território, com clima tropical, tem como capital a cidade de Oranjestad.
Aruba foi descoberta e ocupada em 1499 por exploradores espanhóis e adquirida pelos Países Baixos em 1636.
A ilha separou-se das Antilhas holandesas em 1986 e tornou-se uma dependência autónoma do Reino dos Países Baixos, podendo considerar-se, por isso, parte de uma monarquia constitucional, em que o monarca (o Rei Guilherme Alexandre dos Países Baixos) é representado na ilha por um Governador. No entanto, a ilha tem um governo próprio, dirigido por um Primeiro Ministro, nomeado de acordo com as eleições democráticas para o parlamento.
A economia de Aruba é dominada pelo turismo e por uma refinaria de petróleo, aberta em 1924.
A maioria da população desta ilha descende de europeus e indígenas caribenhos. Houve também imigração de países latino-americanos e norte-americanos.
A religião dominante é a católica, mas, há uma minoria protestante e pequenos núcleos judeus, muçulmanos e hindus.
As línguas oficiais são: o holandês e o papiamento. Mas a população costuma utilizar, predominantemente o papiamento, que é uma língua derivada do português (que era falado pelos judeus e escravos vindos do nordeste brasileiro e das colónias portuguesas na África e que constitui sessenta por cento do seu léxico), com influência do castelhano, do inglês, do holandês e de línguas africanas.
Para constatar a influência do português no papiamento, aqui ficam algumas palavras que derivam do nosso idioma: Bonbini (Bem-vindo); Bon dia (Bom dia); Bon tardi (Boa tarde); Bon nochi (Boa noite); Pasa bon dia (Tenha um bom dia); Refresco (Refresco ou sumo) e Por fabor (Por favor). Entretanto conheça Aruba, a ilha feliz, através dos dois vídeos abaixo. Aqui vai o primeiro. E agora o outro vídeo sobre Aruba.

terça-feira, Setembro 30, 2014

Parabéns Mafalda

A Mafalda fez ontem 50 anos e continua sempre actual. Parabéns Mafalda.
A Mafalda foi uma tira escrita e desenhada pelo cartunista argentino Quino.
As histórias, apresentando uma menina (Mafalda) preocupada com a Humanidade e a paz mundial que se rebela com o estado atual do mundo, apareceram de 1964 a 1973.
A Mafalda é uma menina de seis anos de idade, que odeia sopa e adora os Beatles e o desenho Pica-Pau. Ela comporta-se como uma típica menina na sua idade, mas tem uma visão aguda da vida e vive questionando o mundo à sua volta, principalmente o contexto dos anos 60 em que se encontra. Tem uma visão mais humanista e aguçada do mundo se a compararmos com os outros personagens (Manolito, Susanita, Filipe, Liberdade, etc.).
Usufruindo de uma altíssima popularidade na América Latina e Europa, a Mafalda foi muitas vezes comparada ao personagem Charlie Brown, de Charles Schulz, principalmente por Umberto Eco, em 1968.
A personagem, cujo nome foi inspirado pela novela "Dar la cara", de David Viñas, e alguns outros, foi criada em 1962 para um cartoon de propaganda que deveria ser publicado no diário argentino Clarín. No entanto, o Clarín rompeu o contrato e a Mafalda somente se tornou um cartoon de verdade sob a sugestão de Julián Delgado, na época o editor-chefe do hebdomadário "Primera Plana" e amigo de Quino. 
A primeira tira foi publicada no jornal de 29 de Setembro de 1964, apresentando somente as personagens de Mafalda e seus pais. As personagens Manolito e Susanita aparecem nas semanas seguintes enquanto Filipe só surge em Janeiro de 1965.
Após 1973, Quino desenhou a Mafalda muito poucas vezes e principalmente para promover campanhas sobre os Direitos Humanos. Por exemplo, em 1976 fez um poster para a UNICEF ilustrando a Declaração Universal dos Direitos da Criança.

segunda-feira, Setembro 29, 2014

Nuvem Misteriosa...

Serviços Meteorológicos dos E.U.A.
Durante dias, os meteorologistas norte americanos deram voltas à cabeça por causa de uma nuvem misteriosa captada por radar sobre a cidade de S.Louis. Agora resolveu-se o enigma: a nuvem misteriosa era, afinal... um bando de milhares de borboletas.
Já agora, como pode ver na imagem ao lado, a forma da nuvem dava uma excelente pista, pois tinha a configuração de uma borboleta. Mais, os sinais captados pelo radar davam conta que a massa misteriosa se agitava, como se batesse asas, era plana e teria vida.
O caso é que ninguém conseguia identificar que "aquilo" era de facto a soma de muitos milhares de borboletas.
Não se chegando lá pela análise das imagens captadas, o caso deslindou-se por outra via, a do processo migratório das borboletas -  Monarca.
A borboleta-Monarca com ampla distribuição nas Américas, tem cerca de 70 mm de envergadura, asas laranjas com listas pretas e marcas brancas.
Há indícios de que esta espécie poderá estar a colonizar o sul de Portugal.
A aparição da "nuvem" coincidiu com a viagem dessa espécie da região dos Grandes Lagos, entre o Canadá e os Estados Unidos, para o centro da região oeste do México.
Normalmente, as borboletas-Monarca migram sozinhas ou aos pares, mas neste caso ter-se-ão agrupado às dezenas de milhar aproveitando as condições meteorológicas favoráveis. Com os ventos de feição, acabaram por formar uma massa o que lhes permite poupar  parte da energia de que precisam, para concluir a viagem de dois meses até ao solarengo México.

domingo, Setembro 28, 2014

La Isla Negra

Foto de Edson Maiero
A "Isla Negra" é a mais famosa das casas de Pablo Neruda e situa-se a cerca de 120 km de Santiago do Chile.
A beleza do lugar, o enquadramento paisagístico, a casa, a decoração interior, o porquê de certos pormenores que a vivenda possui, os testemunhos do que foi a sua vida, têm transformado esta casa num local de romagem.
Pablo Neruda (1904-1973 ) era filho de um operário ferroviário e de uma professora primária, tendo como verdadeiro nome Ricardo Eliecer Neftali Reyes Basoalto.
Em 1920, utilizou pela primeira vez o pseudónimo Pablo Neruda com que viria a alcançar fama mundial. Em 1924, publica uma das suas obras de maior impacto, "Vinte poemas de amor e uma canção desesperada".
A escolha que fez deste pseudónimo, mostra a sua enorme paixão pela poesia. Pablo vem de Paul Verlaine que foi um importante poeta francês do século XIX, cuja obra era muito admirada pelo pelo poeta chileno. Jan Neruda, era um poeta checo, também do século XIX, igualmente por si muito apreciado e daí o apelido escolhido: Neruda.
É a sua segunda mulher, Delia del Carril, que lhe compra o embrião da hoje mundialmente célebre casa de "Isla Negra". Contudo, foi a sua terceira mulher, Matilde Urrutia, que com ele partilhou a vivência desta casa, que o abrigou até à sua morte em 1973.
A Isla Negra, é a mais conhecida das três casas de Pablo Neruda. É de referir, que após o sangrento golpe de estado de Pinochet, em 11 de Setembro de 1973, a ditadura mandou destruir "La Chascona", e a outra casa, "La Sebastiana", em Valparaíso, também foi pilhada e vandalizada.

sábado, Setembro 27, 2014

Lantanda

Esteve a concurso no Festival de Cinema de San Sebastian (País Basco, Espanha) um documentário, de 63 minutos, sobre a Guiné Bissau, focado na música e no crioulo deste país. "Lantanda" é o título deste filme realizado por Gorka Gamarra.
Lantanda, palavra em crioulo que significa "erguer", "pôr de pé", está a ser apresentado desde os dias 24 (Dia da Independência da Guiné-Bissau) , 25 e 27 de setembro no 62.º Festival de Cinema de San Sebastian.
"O filme percorre a história da Guiné-Bissau desde a década de 1960 através da música, com os primeiros temas em crioulo dos Cobiana Djazz e a sua relação com a luta da independência, até à nova geração, com Karyna Gomes, Binhan ou Patche de Rima", explica Gorka Gamarra.
A ideia do filme surgiu enquantoo realizador era funcionário das Nações Unidas em solo guineense. O objetivo passou por "ajudar a mostrar uma realidade da Guiné-Bissau muito diferente das razões pelas quais o país tem sido conhecido nos últimos anos" - como parte de uma rota de narcotráfico e devido à instabilidade político-militar. Subjacente à música, "surge a questão do crioulo e das línguas maternas", discussão para a qual contribuem as participações no documentário de figuras da cena cultural guineense como Abdulai Sila, Tony Thecka ou Nelson Medina.
Gorka Gamarra e a equipa que deu vida a "Lantanda", querem participar em festivais e dar a maior visibilidade possível ao filme, que "tem levado muitas pessoas a descobrir a Guiné-Bissau", refere.
Um dos temas musicais escolhidos para o filme "Lantanda" é um hino da revolução chamado "Mindjeris di Panu Pretu". A releitura deste tema clássico da música Guineense é feita por Karyna Gomes e Ernesto Dabó.   Assinalando mais um aniversário da Independência da Guiné-Bissau, aqui fica uma homenagem à riqueza da cultura desse país!

sexta-feira, Setembro 26, 2014

Me Leva

A cantora Marjorie Estiano lançou recentemente o novo single, "Me Leva" que lhe proponho que oiça.  A música faz parte do repertório de seu terceiro disco, "Oito", que será lançado em breve. O disco conta com a produção de André Aquino, tem 11 faixas, sendo 8 da autoria de Marjorie e outra é uma versão especial para o sucesso de Carmem Miranda, "Tahí", de Joubert De Carvalho. O álbum tem ainda as participações especiais de Gilberto Gil em "Luz do Sol" e de Martinália em "A Não Ser o Perdão".
Desde que o mundo se fez mundo
Não se deve magoar
E se houver gente que ainda sente
A solidão não mais virá

Te procurei a noite inteira
Não posso mais com brincadeira
A vida é curta
E a minha sina é te querer demais

Anuncia, me diga
Aonde for
Só me deixe estar
Me deixe estar

Aonde você foi, me diz
Pra onde for, me leva
Só me deixe estar
Me deixe estar

Anuncia, me diga
Aonde for
Só me deixe estar
Me deixe estar

Aonde você foi, me diz
Pra onde for, me leva
Só me deixe estar
Me deixe estar

A noite fez, e em mim se deu
Sem ele não abuso, não vou suportar

Aonde você foi, me diz
Pra onde for, me leva
Só me deixe estar
Me deixe estar

A noite fez-se, em mim se deu
Sem ele não abuso, não vou suportar

Aonde você foi, me diz
Pra onde for me leva
Só me deixe estar
Me deixe estar

Aonde você foi (Me deixe estar)
Me leva
Só me deixe estar
Me deixe estar (Me leva)

Anuncia, me diga
Aonde for
Só me deixe estar
Me deixe estar

A noite fez, e em mim se deu

Aonde você foi, me diz
Me leva
Só me deixe estar
Me deixe estar (Me leva)

A noite fez, e em mim se deu
A noite fez, e em mim se deu

Aonde você foi, me diz
Só me deixe estar
Me deixe estar

Anuncia, anuncia, me diga
Aonde for
Me leva
Só me deixe estar
Me deixe estar