domingo, abril 26, 2015

O Desastre de Chernobyl


Chernobyl é uma cidade no norte da Ucrânia cujo nome significa "História Negra". Chernobyl é hoje considerada uma cidade fantasma.
Em 1976, quando foi inaugurada, a central nuclear era um símbolo do poderio soviético e da antiga URSS. Esta proclamava orgulhosamente a construção da maior central nuclear do mundo.
No dia 25 de Abril de 1986, nesta central nuclear, estiveram a realizar-se testes a um mecanismo de segurança que garantia a produção de energia em caso de acidente.
De repente aconteceu o inesperado. O reactor 4 da central de Chernobyl explodiu à 1h 23 min do dia 26 de Abril de 1986.
Uma explosão violenta arremessou a cobertura de 1000 toneladas, do edifício, onde se encontrava o reactor e, as temperaturas no seu núcleo atingiram, rapidamente, os 2000 ºC.  Uma nuvem radioactiva foi liberada, contaminando pessoas, animais e o ambiente de uma vasta extensão da Europa e da URSS.
Carregada pelos ventos, a nuvem radioactiva rapidamente se espalhou pela Ucrânia, Bielorrússia, Federação Russa, Dinamarca, Suécia, Noruega, Finlândia e Islândia.
O número de mortos ainda não está bem definido, sendo até hoje motivo de discussão. Para a ONU foram quatro mil mortos, para a organização ambiental Greenpeace foram cerca de cem mil, e um estudo cientifico britânico avaliou entre trinta e sessenta mil mortos.
Este drama não atinge somente os sobreviventes. Crianças nascidas depois de 1986 têm de lidar com doenças graves. No norte da Ucrânia, a incidência do cancro na tireóide é quase 100 vezes maior que o normal. Para se ter uma idéia da imensidão desta tragédia cerca de cinco milhões de hectares de terras foram inutilizadas e milhares de pessoas sofrem, até hoje, com problemas de saúde. Num balanço feito em 2010 consta que, desde o acidente, 7 milhões de pessoas da região foram afectadas e cerca de 30 mil pessoas morreram em consequência dos efeitos da radiação. Ainda hoje cerca de 9 milhões de pessoas vivem em áreas contaminadas.
Para quem ficou contaminado, uma medida simples faz toda a diferença: estudos ucranianos e franceses demonstraram que a permanência de três meses em regiões não-radioactivas é capaz de diminuir em 30% o césio presente no corpo. Sabendo disso, desde 1993 a associação Les Enfants de Tchernobyl leva jovens para passear no exterior. Associações semelhantes fazem o mesmo em diversos países: Portugal, Alemanha, Itália, Espanha, Bélgica, Irlanda, Canadá e Estados Unidos.
Entretanto, uma espécie de "sarcófago" de cimento armado, aço e chumbo foi construído sobre o reactor que explodiu, a fim de isolar o material radioactivo que ali se encontrava.
O acidente fez com que fosse questionado o uso de energia nuclear e alguns países reduziram e outros quase extinguiram os seus projectos de construção de centrais nucleares.
O acidente de Chernobyl provocou 400 vezes mais radiação que a bomba nuclear lançada sobre Hiroshima no Japão, após a Segunda Guerra Mundial.
Se quiser ver o filme (documentário) sobre este desastre nuclear basta clicar aqui.
Agora veja a reportagem do programa Fantástico (da TV Globo) que voltou à região atingida pela radiação, na Ucrânia, 15 anos depois do acidente na central nuclear.  A reportagem é de Ilze Scamparini e foi exibida em 05/08/2001.

E agora veja um video, com fotos de Chernobyl, após o desastre nuclear.

sábado, abril 25, 2015

O 25 de Abril e os Murais

O Muralismo ou pintura mural é a pintura executada sobre uma parede, quer directamente na sua superfície, como num fresco, quer num painel montado numa exposição permanente. Ela difere de todas as outras formas de arte pictórica por estar profundamente ligada à arquitetura, podendo explorar o carácter plano de uma parede.
A técnica de uso mais generalizado é a do fresco, que consiste na aplicação de pigmentos de cores diferentes, diluídos em água, sobre a argamassa ainda húmida.
O muralismo foi cultivado nas civilizações grega e romana (o exemplo é o das ruínas de Pompeia e Herculano). A técnica também foi muito empregada na Índia (nos murais das cavernas de Ajanta) e na China (dinastia Ming).
No século XIII, os trabalhos de Giotto deram extraordinário impulso à pintura mural. No Renascimento, foram criadas algumas obras-primas do muralismo, como os frescos da Capela Sistina, (Michelangelo) e a "Última Ceia", de Leonardo da Vinci. Após o Renascimento, com o interesse progressivo por tapeçarias e vitrais para uso na decoração de interiores, a pintura mural entrou em decadência no Ocidente.
No século XX, a pintura mural ressurgiu, com todo vigor, em três fases principais: um género mais expressionista e abstracto que surgiu a partir de grupos cubistas e fauvistas, em Paris, e se manifestou nos trabalhos de Picasso, Matisse, Léger, Miró e Chagall; outro que se manifestou a partir do movimento revolucionário mexicano (o caso de Diego Rivera é um dos exemplos); e um movimento mural de curta duração, na década de 1930, nos Estados Unidos.
Em Portugal existe uma variante de muralismo executada em azulejo, vulgarmente conhecida por painéis de azulejos, que consiste em murais de azulejos que têm vários tipos de expressão, desde a simples composição com azulejos coloridos até à forma clássica de desenhos que são executados antes do azulejo ser cozido.
A Revolução dos Cravos, em Portugal (1974) também foi marcada pintura mural. Pode apreciar algumas destas pinturas revolucionárias através de parte do acervo de imagens de murais do Centro de Documentação 25 de Abril (clique aqui). Esta é uma ínfima amostra das paredes que a Revolução dos Cravos pintou de Norte a Sul do país.
São murais om mais ou menos inspiração, com conotações político-partidárias mais ou menos explícitas ou ténues, como pode ver no vídeo abaixo.

sexta-feira, abril 24, 2015

A Arménia e o Massacre dos Arménios

Mulher arménia torturada
Genocídio arménio, holocausto arménio ou ainda o massacre dos arménios é a designação dada à matança e deportação forçada de centenas de milhares (talvez mais de um milhão) de pessoas, de origem arménia, que viviam no Império Otomano, durante o governo dos chamados Jovens Turcos (1915 a 1917). A intenção deste genocídio era a de exterminar a sua presença cultural, a sua vida económica e o seu ambiente familiar (como pode ver, clicando aqui, na reportagem da TVI).
Este massacre ou genocídio caracterizou-se pela brutalidade e pela utilização de marchas forçadas com deportações, que geralmente levavam à morte de muitos dos deportados.
Está firmemente estabelecido que foi um genocídio e, há evidências do plano organizado e concretizado de eliminar sistematicamente os arménios. É o segundo mais estudado acontecimento deste tipo, depois do Holocausto dos judeus na Segunda Guerra Mundial.
Adopta-se a data de 24 de abril de 1915 como início do massacre, por ter sido o dia em que dezenas de líderes arménios foram presos e massacrados, em Istambul.
O governo turco rejeita o termo genocídio organizado e nega que as mortes tenham sido intencionais. Um século depois, ainda persiste a polémica.
 A Arménia, denominada oficialmente de República da Arménia, é um país sem costa marítima localizado numa região montanhosa na Eurásia, entre o mar Negro e o mar Cáspio, no sul do Cáucaso.
Faz fronteira com a Turquia a oeste, a Geórgia a norte, o Azerbaijão a leste, e com o Irão e com o enclave de Nakhchivan (pertencente ao Azerbaijão) a sul.
Apesar de geograficamente estar inteiramente localizada na Ásia, a Arménia possui enormes relações sociopolíticas e culturais com a Europa.
Foi uma das repúblicas da extinta União Soviética e  é hoje um estado secular unitário, multipartidário, democrático, com uma antiga herança histórica e cultural.
Historicamente foi a primeira nação a adoptar o cristianismo como religião de Estado em 301.
O país é uma democracia emergente e por causa da sua posição estratégica, tenta conciliar alianças com a Rússia e com o Oriente Médio.
Entre 1915 e 1923 sofreu o que os historiadores consideram o primeiro genocídio do século XX (seguido depois pelo holocausto dos judeus e pelos genocídios do Cambodja e do Ruanda), perpetrado pelo Império Otomano e negado até hoje pela República da Turquia, fazendo com que a Arménia tenha uma diáspora gigantesca pelo mundo (França, Estados Unidos, Argentina, Brasil, Líbano e muitos outros).

quinta-feira, abril 23, 2015

I Am Príncipe

Se quer saber o que é um paraíso na terra, conheça a ilha do Príncipe.
A Ilha do Príncipe é a segunda maior ilha do arquipélago de São Tomé e Príncipe, que é constituído por duas ilhas principais e alguns ilhéus.
Administrativamente, esta ilha constitui, desde 1995, uma região autónoma, formada pelo distrito de Pagué. A ilha tem uma área de 142 km² e uma população estimada, em 2006, de 6737 habitantes. A sua capital é Santo António.
A ilha do Príncipe situa-se a nordeste da Ilha de São Tomé (a 140 km de distância), no Golfo da Guiné e tem origem vulcânica.
A vegetação é densa devido ao clima equatorial.  A ilha é muito acidentada, atingindo 948 metros no Pico do Príncipe, localizado no sul da ilha e que faz parte do Parque Natural Ôbo. No interior da ilha existe uma floresta tropical densa, onde a flora é bastante diversificada.
Esta ilha é também um santuário da vida selvagem, com espécies muito raras de animais (especialmente aves) e, por isso, uma Reserva Mundial da Biosfera
O Príncipe foi descoberto por navegadores portugueses em 1471, que a denominaram como "Ilha de Santo Antão". Visando incentivar o seu povoamento, em 1502 tornou-se uma donataria, denominada como "Ilha do Príncipe", sendo-lhe introduzida a cultura da cana-de-açúcar. Foi nomeada ilha do Príncipe por D. João II de Portugal. O rei adorava tanto o seu único filho e herdeiro Afonso, Príncipe de Portugal (1475) que, em sua homenagem, designou como "Príncipe" a ilha mais pequena do arquipélago de São Tomé e Príncipe.
Em 1753 a Ilha do Príncipe e a de São Tomé são unidas administrativamente, passando a constituir a colónia de São Tomé e Príncipe.
 No início do século XX o arquipélago tornou-se um expressivo produtor de café e de cacau. Após a independência do arquipélago (1975), a ilha passou a constituir uma região autónoma.
Se quer ter uma ideia mais precisa da beleza do Príncipe, não deixe de ver este vídeo! Que é candidato ao "Melhor Vídeo da Semana" do Awardeo.
Vote nele e conte aos seus amigos!
E diga, também, "I Am Príncipe".

quarta-feira, abril 22, 2015

Um Fiel Amigo

O vídeo abaixo é absolutamente fantástico.
Um cão emociona-se ao ver o dono, após uma ausência de seis meses.
A reacção do cão é verdadeiramente emocionante e, mostra como estes animais, podem mesmo ser os nossos melhores amigos.
Ora veja! Não perca esta oportunidade!

terça-feira, abril 21, 2015

O Metropol Parasol

Quem está de viagem marcada para Sevilha, Espanha, não pode perder a oportunidade de conhecer o Metropol Parasol, a maior estrutura de madeira do mundo.
O Metropol Parasol é uma construção de madeira na praça La Encarnación, na zona antiga de Sevilha. Foi desenhado pelo arquiteto alemão Jürgen Mayer-Hermann e a sua construção terminou em abril de 2011. Tem 150 por 70 metros e uma altura aproximada de 26 metros.
O edifício é conhecido popularmente como "Las Setas de la Encarnación" (Os cogumelos da Encarnación).
O Metropol Parasol está organizado em quatro pisos. O piso subterrâneo contém o Antiquarium, onde estão em exibição vestígios arqueológicos romanos e árabes. No piso 1, existe o mercado central. Os pisos 2 e 3 são terraços panorâmicos, havendo num deles um restaurante, com uma excelente vista sobre o centro de Sevilha.
Formada por painéis de madeira que se erguem a partir de bases de betão, a imensa estrutura abriga uma praça, um restaurante, uma feira de produtos agrícolas e, no topo, há um piso panorâmico onde o visitante pode apreciar a vista magnífica.
A construção ondulada de tom neutro foi idealizada para criar contraste entre o moderno e a atmosfera medieval da cidade, acentuando ainda mais o apelo histórico e turístico de Sevilha.

segunda-feira, abril 20, 2015

A Caça e a Caçada

"The Hunt" (A Caça) é um filme (drama) dinamarquês, de 2012, realizado por Thomas Vinterberg e tendo no principal papel Mads Mikkelsen
A acção do filme decorre numa cidadezinha dinamarquesa em vésperas de Natal. Lucas (Mads Mikkelsen), professor do jardim-de-infância, é injustamente acusado de agressão sexual e passa a ser alvo de perseguição por toda a comunidade. Lucas é um professor carismático, bastante querido pelos seus alunos, porém uma das crianças, Klara, encanta-se pelo homem, transformando a sua vida num inferno.
Este filme mostra as proporções que um rumor pode tomar quando espalhado sem as devidas investigações.
Para quem queira reflectir sobre estes assuntos aqui fica, também, um texto da deputada Mariana Mortágua, publicado em 27/03/15 sob o título:
"A caçada"  
"Lucas é um educador dedicado e respeitado na pequena comunidade onde vive e trabalha. Até ao dia em que, chamado ao gabinete da responsável pela escola, e vítima de uma mentira fortuita e aleatória, vê o seu mundo ruir. Abandonado pelos amigos mais próximos, despedido, humilhado e agredido na rua, todos lhe viram as costas e os que não fazem é porque querem fazer justiça pelas suas mãos. Lucas não cometeu crime algum, mas a violência da suspeita (abuso sexual de uma criança) e a repugnância que esse crime justamente nos provoca, transformou o seu dia-a-dia entre a desesperada tentativa de se reabilitar e a de se manter vivo. Lucas é um personagem fictício, de um filme demasiado vivido e real para ser ignorado no preciso momento em que o governo português defende a criação de uma lista, de acesso público, com o nome dos abusadores sexuais de menores. "A Caçada", é esse o nome deste filme dinamarquês, foi premiado em Cannes, e é um poderoso retrato do inferno que se pode esconder ou alimentar das nossas melhores intenções e preocupações. Como dizia José Soeiro, no Facebook, a proposta do Governo aproveita a boleia da legítima repugnância social generalizada contra o abuso de menores, para colocar em causa direitos cívicos básicos, assumindo-se como um precedente que não pode ser aceite num Estado de Direito. 
É à boleia das melhores intenções, como é o caso, que começam os piores abusos. Não é por acaso, de resto, que todos os pareceres (Ordem dos Advogados, Ministério Público, Conselho Superior da Magistratura, entre outros) rejeitam a ideia que uma eventual lista de abusadores de crianças possa ser consultada por terceiros - neste caso pais de menores de 16 anos. Antes de nos determos na lei, e na forma atabalhoada e até interesseira como foi preparada e apresentada, é preciso referir o dado mais relevante - mas talvez mais desconhecido - sobre este crime. Nove em cada dez dos abusos sexuais cometidos sobre crianças acontecem no contexto familiar. É por isso que o principal instrumento no seu combate não é fazer de cada pai, legitimamente preocupado, um voyeur em potência, mas o reforço das redes sociais de acompanhamento e sinalização de menores em situação familiar de risco. Ora, o que o Governo fez foi precisamente o contrário. Agita o populismo fácil de uma lista que, incidinde sobre um crime propenso como mais nenhum a criar agitação e mesmo violência social e local, mas despediu há poucos meses mais de 400 educadores e assistentes sociais. Grande parte destas pessoas trabalhavam precisamente com as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens. O populismo tem este problema. Agita e esbracej mas não oferece soluções, ou, pior ainda, aparece para esconder as verdadeiras políticas que deixam mais vulneráveis enquanto comunidade. Se dúvidas existissem sobre a despreocupação com o que realmente se passa no terreno, a Procuradoria Geral da República dá um exemplo gritante. O mesmo Governo que acha bem permitir o acesso de qualquer à identidade de um agressor sexual, mesmo que tenha cumprido pena há 20 anos, não inclui as comissões de proteção de crianças na lista de entidades com acesso direto à mesma. Que é preciso proteger as crianças nem se discute. Que é preciso melhorar a legislação, nomeadamente nos riscos exponenciados pela internet, vamos a isso. Que é preciso cruzar dados e fornece-los às autoridades competentes, como defende a Directiva Comunitária que o Governo treslê, certíssimo. Que é preciso uma rede social capaz de defender as crianças, estamos todos de acordo menos este Governo - que despediu essas pessoas. Mas entre partir deste consenso e fornecer o acesso quase indiscriminado a essa informação, vai um passo gigante e um risco ainda maior. É o da diferença entre a preocupação e o populismo. Para quem pense que o início deste texto só acontece num filme, deixo uma citação do parecer da Procuradoria Geral da República. "Já há registos - pelo menos um - de casos de tal natureza. Um pai foi violentamente agredido porque erroneamente tomado como estando a abusar sexualmente da sua filha quando brincava com ela, a aguardar a abertura do infantário onde a deveria deixar. Irrompeu a fúria popular descontrolada". Mariana Mortágua